Bem vindos!

Resgatar a história de um móvel é manter nossas raízes. Renovar uma peça, da qual você está cansada, é dar uma nova chance ao que também tem história. Por mais que você pinte e renove, ela sempre terá seu desenho original, indicando uma época. Isso é respeito à nossa cultura e respeito ao meio ambiente.

Sandra Guadagnin

sábado, 26 de março de 2011

Ano da Holanda no Brasil

"A Comissão de Educação e Cultura aprovou, por unanimidade, a criação do ano 2011 como o Ano da Holanda no Brasil. O projeto de lei 6.498/2009 proposto pelo deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) e mais 37 deputados do Paraná e Rio Grande do Sul pretendem homenagear a história da miscigenação entre esses dois povos iniciada em 1911 com a chegada dos holandeses em Carambeí (PR) e daí se estendeu aos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul, nos municípios de Não Me Toque (RS), Holambra e Paranapanema (SP)".

Nada mais do que merecida esta homenagem, a este povo que ajudou a construir nosso país.


Sou descendente direta de holandeses. Acredito que minha paixão pelo restauro esteja relacionada ao convívio com a família de minha mãe. Tios conservam móveis e objetos que vieram da Holanda, a maioria comprados de algumas famílias que resolveram retornar para lá para recomeçarem suas vidas.

Na cidade de Não Me Toque (RS) onde está parte de minha família, há uma comunidade de holandeses que cultiva costumes de seu país natal, como danças típicas e a festa de São Nicolau. Lembro que, quando criança, ia à casamentos de  primos holandeses e os convidados arremessavam os noivos para cima, sentados nas cadeiras. Uma forma de homenagear os nubentes.

Na decoração, as louças brancas e azuis, pratos típicos na parede, tapeçarias representando a paisagem daquele país, cortinas de renda, tamancos ornamentais e tulipas, mesmo que falsas, mas sem perder a beleza.

Este mês aconteceu a exposição anual desta cidade, onde há uma feira agroindustrial, E lá, famílias holandesas se reuniram para criar um ambiente que lembrasse seu país. Cada família cedeu um móvel ou objeto e o resultado você vê abaixo.

Trabalho feito pelas artistas de Não Me Toque, Joke van Schaik e Lucia van Schaik Liska. Observe que as tulipas tem a cores da bandeira do Brasil. Muito bela a idéia, representando a miscigenação.


Os tarros vieram da Holanda, e foram pintados pela artista plástica Joke van Schaik, ilustrando muito bem paisagens de épocas remotas.


A tapeçaria com os campos de tulipa é regra na decoração de casas de holandeses radicados no Brasil. Uma forma de relembrar o país.


A cultura holandesa valoriza muito a história, incluindo móveis, fotografias e objetos. 


A Gaita Ponto era do opa (avô em holandês) de Marijke van Schaik Willig, e hoje pertence ao filho dela, Felipe.


Aqui, Marijke, com sua sobrinha, Bruna van Shaik Liska, vestida tipicamente.
Atenção à cristaleira, toda entalhada e seu perfeito estado de conservação. Os pratos na parede, o barômetro e a coleção de tamancos.


Aqui, Marijke novamente, braço forte na preservação da cultura de um povo, juntamente com a vice prefeita de Não Me Toque, Teodora Souillijee Lutkemeyer, que levam suas metas à sério. Elas, que dedicam muito de seu tempo incentivando os descendentes a participarem e propagarem a cultura holandesa no Brasil.

A cada ano, as seis comunidades holandesas espalhadas pelo Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo se reúnem para dividirem experiências, fazerem apresentações de danças e disputarem jogos, tudo muito bem organizado. A língua de origem é, senão falada, muito bem compreendida por todos desta comunidade.

Para um povo, que buscou refúgio no Brasil e aqui fincou raízes, deixando descendentes conscientes de sua rica cultura, os nossos respeitos!!

Meus agradecimentos à querida Marijke van Schaik Willig, que gentilmente cedeu as imagens. E que ela, junto com a comunidade, permaneça à frente neste trabalho de manter as tradições, pois o que faz um povo é sua cultura.



2 comentários:

  1. Gostei muito dessa postagem pois sou neto por parte de mãe de um holandes ,concebido por lá e nascido num navio já em águas territoriais brasileiras .Meu avô foi uma das criaturas mais sábias que conheci em toda a minha vida .
    A única coisa que me entristece com relação`a Holanda é o fato do Maurício de Nassau ter perdido a guerra contra os portugueses.Este país seria muito melhor se colonizado por holandeses.
    Digo isso com segurança pois meu pai era português e conheço bem a cultura da "terrinha"

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Sandra!
    Ficou maravilhoso, mais este trabalho, agradecemos a voce por ajudar a esclarecer e divulgar a imigração Holandesa no Brasil e principalmente no nosso Rio Grande do Sul.
    Bjoss
    Marijke van Schaik

    ResponderExcluir

Olá! Deixe seu recado e espero te ver mais vezes por aqui.