Bem vindos!

Resgatar a história de um móvel é manter nossas raízes. Renovar uma peça, da qual você está cansada, é dar uma nova chance ao que também tem história. Por mais que você pinte e renove, ela sempre terá seu desenho original, indicando uma época. Isso é respeito à nossa cultura e respeito ao meio ambiente.

Sandra Guadagnin

Presenteie com criatividade.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

A novela da mesa

Meio ano. Foi o tempo que a cliente esperou pela restauração desta mesa. Por vários motivos o trabalho foi interrompido - doença, mudança, fim de ano, problemas técnicos e por aí vai. Para começar essa história, gostaria de dizer que o trabalho do Hiroshi, meu "aprendiz" - que também me ensina muito, foi de extrema importância, nunca vi alguém que lixe melhor que ele.


A certa altura o trabalho parecia render. Mesa lixada e deu-se continuidade no acabamento. Fizemos duas pequenas amostras para que a cliente optasse por uma. A primeira foi em Verniz PU e a segunda em Verniz Marítimo Poliulack, ambos da Sayerlack
Aprovada a segunda opção, pintou-se a base, com pistola. Ficou linda. Em seguida, Hiroshi pintou os tampos menores, do centro da mesa, que também ficaram ótimos. 





Seguindo para os tampos maiores, veio a surpresa:

Aqui, um teste com o Verniz PU, também da Sayerlack, mas o problema persistia.

Chegamos a conclusão de que num passado distante, alguém passou algum tipo de óleo ou cera, somente nos dois tampos maiores, visto que esses ficavam sempre expostos, enquanto que os outros menores ficavam guardados sob a mesa.

Tirei fotos, fiz relatórios e enviei para a cliente. Ela nos autorizou a fazer o acabamento que achássemos conveniente. A princípio ela queria um acabamento mais resistente. 
Entrei em contato com a Sayerlack, fui muito bem orientada. Porém, não tinha jeito, o acabamento não ficaria bom nessas condições. Hiroshi lixou toda a mesa novamente - paciência oriental!


Precisávamos encontrar um caminho. 
Procurei o colega Amauri, do blog Restauro Moleiro buscando soluções para o "caso da mesa". Amauri é extremamente atencioso e experiente em restauração. Orientou-me a experimentar o seguinte produto:


Como vêem, o resultado não foi bom, não por culpa do produto, mas a questão é que o óleo (ou gordura) continuava ali, mesmo tendo lixado tudo novamente. Neste teste, passamos duas demãos de Isolare, da Montana Química, respeitando o tempo de secagem. A foto foi tirada antes que a segunda demão secasse bem, visto que que o problema persistiria, pois era o segundo teste com o produto em questão.

Não nos demos por convencidos, e, por orientação do vendedor da  loja Quimilack, daqui de Curitiba, experimentamos lavar a madeira com o Destake Desengordurante Multiuso, vendido na loja.

Notem como a "tinta" da madeira se solta. Lavamos um tampo, para ver como seria a reação. Por orientação do fabricante, reaplicamos mais uma vez e enxaguamos com água em abundância.

Após 7 dias de secagem, fizemos novo teste, aplicando Isolare com o Verniz Marítimo e a benditas "ilhas de óleo" repeliram novamente a pintura. 


Então, partimos para a opção na qual sei que não falha: a tradicional seladora combinada com Thinner. Você deve se perguntar porque não demos logo este acabamento. Porém, partimos da preferência da cliente por um material mais resistente. Se a mesa toda tivesse aceitado o acabamento com verniz logo no início, tudo estaria resolvido. 


Esse acabamento não é tão durável quanto o verniz, mas é de uma beleza única, delicada e deixa a madeira muito mais natural que qualquer outro acabamento. 



Lógico que este acabamento não seria lindo assim sem a queridinha do blog: a Cera de Carnaúba Machado - e olha que não ganho nada por divulgar aqui. 

Mas não basta só aplicar a cera, você tem de lustrá-la exaustivamente, com escova dura e com flanela, intercalando as aplicações. 


A cliente gostou. Perdoou o tempo da demora (depois que pedi perdão de joelhos). Lembrando que esta mesa tem 2 metros, aberta, e é 100% em madeira maciça. Maravilhosa!

Ah, como é de costume...





Mas, afinal, o que é um produto PU e um produto Nitrocelulose?

O produto Nitrocelulose (NC) é mono componente, seca ao ar e tem resistências físico químicas limitadas. 
Já o PU é bi componente (a parte A é o verniz e a parte B é o catalisador) sua resistência físico química é superior ao NC.

Para esclarecer mais dúvidas, vá até até este link, da Sayerlack.



Abraços e até mais

Sandra