Bem vindos!

Resgatar a história de um móvel é manter nossas raízes. Renovar uma peça, da qual você está cansada, é dar uma nova chance ao que também tem história. Por mais que você pinte e renove, ela sempre terá seu desenho original, indicando uma época. Isso é respeito à nossa cultura e respeito ao meio ambiente.

Sandra Guadagnin

sábado, 13 de junho de 2015

Cama de 1950 para um quarto de 2015

Ganhei esta cama de uma amiga muito querida, que fez o curso de restauro comigo, em 2006. Ela mudou-se de uma casa para um apartamento e teve de "praticar" o desapego.  Guardei a cama por alguns anos até destiná-la à um lugar de honra em casa.

Ela era assim, madeira Cedro Rosa envernizada (aqui, parcialmente lixada).



Passou por isso: fundo, muita massa e lixa fina...



E acabou assim...


Achou escandalosa? Eu não!
Sem dinheiro para laquear? Corre  e compra umas 4 latas de tinta spray e divirta-se!


A almofada, bordada com meu signo, foi presente de minha oma (vó em holandês). Ela não falava português e eu entendia patavinas de holandês, mas ela soube deixar sua impressão, bordando especialmente para mim. A colcha de fuxicos foi presente de minha mãe, ela quem fez. Dedicou muitas horas cortando e fechando cada um.


Agora tudo junto misturado. 

Ah, estão vendo o cabidinho na parede, lá, próximo à cortina? Este, ganhei da adorável Luiza Mallmann, do blog Decorar Sustentável. Ela enviou este mimo pela filha, que veio buscar pedrinhas aqui em casa para levar para a Luiza, de Curitiba para Porto Alegre. Pedrinhas, estas, que meu pai trouxe de Poxoréu, uma pequena cidade do interior de Mato Grosso. 
Nossa, que história complicada, né?! Mas é para ver como tudo se liga. Afetos!

Ó ele de perto, que fofura. Amei, Luiza, amei!



Antes & Depois


Aonde me inspirei? Na cor da cama da filha do Marcelo Rosembaum. Tudo bem que ela é uma menininha ainda, mas... a casa é minha! rsrssss...



Beijo e até mais!!